Meu perfil
BRASIL, Homem, de 20 a 25 anos, Portuguese, English


Histórico:

- 09/12/2007 a 15/12/2007
- 02/12/2007 a 08/12/2007
- 25/11/2007 a 01/12/2007
- 18/11/2007 a 24/11/2007
- 04/11/2007 a 10/11/2007
- 30/09/2007 a 06/10/2007
- 23/09/2007 a 29/09/2007
- 16/09/2007 a 22/09/2007
- 09/09/2007 a 15/09/2007
- 22/07/2007 a 28/07/2007
- 15/07/2007 a 21/07/2007
- 08/07/2007 a 14/07/2007
- 01/07/2007 a 07/07/2007
- 24/06/2007 a 30/06/2007
- 17/06/2007 a 23/06/2007
- 10/06/2007 a 16/06/2007



Outros sites:

- Blog da Tia Patty
- Blog da Michelle Stephane
- Blog da Fabiana Conceição
- Blog da Naiara
- Blog da Lais
- Blog da Sharon
- Blog Beauty Lounge
- Blog da Pri
- Blog da Biana
- Blog da Mila Vandroya


Votação:

- Dê uma nota para meu blog

Indique esse Blog


Status no MSN: Pegue o seu no Templates by Maximus
Depois de Mitologia Egípcia, qual é o assunto que deve ser postado?
Mitologia Asteca
Mitologia Celta
Mitologia Nórdica
Mitologia Hindu
Temas Biológicos

Neste momento: Online



Olá
Novo post no início da semana
Ehehehehe
Mais deuses hein

Toth

Toth, Tot, Tôt ou Thoth é o nome em grego de Djehuty, o deus da sabedoria. É uma divindade lunar (o deus da Lua) que tem a seu cargo a sabedoria, a escrita (o que faz dele o patrono dos escribas que lhe endereçam uma prece antes de escrever. "Mestre das palavras divinas". Preside a medida do tempo, o disco na cabeça é a lua, cujas fases ritmam os dias e as noites), a aprendizagem, a magia, a medição do tempo, entre outros atributos. Era frequentemente representado como um escriba com cabeça de íbis (a ave que lhe estava consagrada). Também era representado por um babuíno. A importância desta divindade era notória, até porque o ciclo lunar era determinante em vários aspectos da actividade civil e religiosa da sociedade egípcia. É, por vezes, identificado com Hermes Trimegisto. A sua filiação ora é atribuída a Rá, ora a Seth. Refere-se também que seria conselheiro de Rá. A sua companheira íntima, Astennu, é por vezes identificada com o próprio Toth. Tinha uma filha:. Seshat.



Hieróglifo de Toth

Sechat

Sechat ou Seshat era originária da região do Delta do Nilo associada à escrita, à astronomia, à arquitetura e à matemática. O seu nome significa "a que escreve". Recebia também os títulos de "Senhora dos Livros" ou "Senhora dos Construtores".
Representada como uma mulher vestida com uma pele de leopardo, vestimenta usada pelos sacerdotes nos ritos funerários, tinha sobre a sua cabeça um objeto indeterminado apoiado numa vara, que alguns consideram ser uma estrela com cinco ou sete pontas, ou então uma roseta. A interpretação deste símbolo varia: para alguns seria um planta de papiro estilizada ou então uma estrela. Nas suas mãos tinha uma cana e uma paleta, dois instrumentos usados pelos escribas no seu trabalho.
Trata-se de uma deusa antiga, presente no panteão desde a época tinita (período da história do Antigo Egito que inclui as primeira e segunda dinastias, datando de cerca de 3100 a.C. até cerca de 2700 a.C., quando se inicia o Antigo Império). Na II Dinastia surge na cerimônia da fundação dos templos e em particular no ato ritual de "esticar a corda", durante o qual se acreditava que a deusa, através de um sacerdote, ajudava nos cálculos necessários à construção de um novo templo, graças aos conhecimentos que possuía sobre estrelas e matemática.
A partir do Império Antigo surge representada a registrar os animais (vacas, ovelhas, macacos...) que os reis capturam como saque durante as campanhas militares ou que lhes são entregues como tributo.
No Império Novo Sechat surge associada à celebração do jubileu do monarca, registrando nas folhas da árvore sagrada de Heliópolis os anos de reinado. Está representada nos templos de Karnak e Abidos realizando esta função. Nesta época surge uma deusa parecida com Sechat, que realiza funções semelhantes e que se denominada Sefekhetabui.
Era vista como companheira ou filha de Toth, divindade também associada à escrita e ao conhecimento. Enquanto que Toth representava o conhecimento oculto, Sechat representava o conhecimento visível, que se concretizava. Tinha uma irmã chamada Mafdet que estava associada à justiça.



A deusa Sechat com Tot junto à árvore sagrada de Heliópolis


Mafdet

Mafdet era uma deusa da mitologia egípcia associada à justiça e ao poder real. O seu nome significa provavelmente "a corredora".
Era representada como um animal (que ainda não foi possível identificar, sendo talvez uma pantera, lince ou mangusto) que subia por um bastão curvado na parte superior que tinha uma corda e uma lâmina. Este instrumento era usada na aplicação da justiça, estando assim Mafdet ligada ao aspecto punitivo da justiça.
É uma deusa bastante antiga, que já era adorada no tempo da I Dinastia (Época Tinita). Nos Textos das Pirâmides (meados do III milénio a.C.), assassina com as suas garras a serpente Apofis. Acreditava-se que a deusa combatia os escorpiões e as serpentes com as suas garras afiadas. Para além deste aspecto feroz, Mafdet tinha igualmente um lado benéfico, sendo invocada para afastar as picadas dos escorpiões e das serpentes. Era por isso chamada de "Senhora da Casa da Vida", uma referência ao local onde se curavam os doentes no Antigo Egito. A deusa era também encarada como protetora do faraó.



Figura de Mafdet


Sekhmet

Na mitologia egípcia Sekhmet, Sachmet, Sakhet ou Sakhmet ("a poderosa") é a deusa da guerra e das doenças. O centro de seu culto era na cidade de Mênfis. Seu esposo era Ptah (posteriormente Ptah-Seker) e com ele o filho Nefertem.
Muitas vezes é confundida com Bastet, embora tenha outra conotação neste caso Rá, o Deus-Sol enviou Sekhmet (um possível aspecto mau de Hathor) para destruir os humanos que conspiravam contra ele.
Possui força e coragem, e tem como missão proteger o deus Rá e o faraó. Certa vez, Rá ordenou a Sekhmet que castigasse a humanidade por causa de sua desobediência. A deusa, que é representada com cabeça de leoa, executou a tarefa com tamanha fúria que o deus Rá precisou embebedá-la com cerveja para que ela não acabasse exterminando toda a raça humana. As pessoas nascidas sob o signo de Sekhmet são ousadas e corajosas. Adoram enfrentar novos desafios, mas pecam pela falta de obstinação. Aliás, é comum iniciarem algum projeto animadamente e o abandonarem justamente quando ele começa a dar frutos, ou seja, quando deixa de representar um risco e se torna previsível. Isso também se aplica aos relacionamentos: a paixão é sua grande busca. Exuberantes, enérgicas, um tanto autoritárias, as pessoas de Sekhmet precisam aprender a arte da diplomacia e da tolerância. Também é importante que controlem a agressividade, pois essa característica pode assumir proporções extremas.
E uma das formas da deusa Hathor, que abraçou o deus Rá, absorvendo sua força, e sob a aparência de uma leoa desceu à terra para destruir a humanidade. Venerada nos santuários de Mênfis como esposa de Ptah, ela é a patrona dos médicos e trás a cura para os males que ela própria disseminou pelo mundo.



Figura de Sekhmet


Isso ae!
Mais 4 deuses bem conhecidos até, creio eu!
No próximo post tem mais
bjs



- Postado por: Angelus às 14h35
[ ] [ envie esta mensagem ]

______________________________________________




*Esse layout é uma criação exclusiva de Bruno Maximus*